Victor Erice vai até Lisboa esta semana para fazer duas presentações especiais na Cinemateca Portuguesa.

Autor fundamental do cinema contemporâneo, cuja obra a Cinemateca tem seguido de perto desde 1985 (quando pela primeira vez mostrou filmes seus), e que aqui acompanhou uma sua retrospetiva integral em setembro de 2013 (“Victor Erice – O Sonho da Luz”), Victor Erice volta à Cinemateca para apresentar duas sessões especiais.

Pelas 21h30 desta sexta-feira, dia 19 de fevereiro, no início da sessão com o filme “Party Girl” de Nicholas Ray, Victor Erice vai falar sobre a obra do autor americano e da sua relação com essa obra. Erice tem uma relação muito especial com Ray, e está este mês em foco nas sessões conferência das “Histórias do Cinema” com outros cinco títulos da escolha do historiador Bernard Eisenshitz está também a abordar a obra de Ray. Este filme está também programado no Ciclo dedicado à década de cinquenta.

No dia 20 deste mês, sábado, pela mesma hora do dia anterior, Erice vai apresentar “El Sol del Membrilho” (1992), uma das obras maiores da filmografia do realizador espanhol e um dos grandes filmes de toda a história do cinema sobre o trabalho da pintura, o processo de criação artística em geral e as relações entre a arte e a vida.

El Sol del Membrilho” é um dos grandes filmes do cinema dos anos noventa. Victor Erice acompanha o pintor Antonio López ao longo do processo de conceção de um quadro (uma pintura a óleo de um marmeleiro no jardim do seu atelier), partindo daí para uma reflexão não só sobre a pintura e o cinema, mas essencialmente sobre a sua relação com as coisas, com a natureza e os homens. Uma obra-prima absolutamente indispensável.