Os norte-americanos Sextile foram apresentados ao mundo em 2015 e acabaram de se estrear na Europa. Contemplaram duas datas em Portugal, no Hard Club (Porto) e em Lisboa (Sabotage Club).

A passagem dos Sextile por Lisboa foi a última data da digressão e é desta que vamos falar. Depois desta noite, não ficaram dúvidas: os Sextile são um nome obrigatório da “rota de bandas post-punk” do século XXI.

Com dois álbuns lançados, “A Thousand Hands” e “Albeit Living”, o alinhamento não tinha muito por onde escapar. Ainda assim, depois de quase uma hora de concerto, ficou o desejo de terem tocado todo o seu material e mais algum. O facto de “Visions of You” ter ficado na gaveta é quase um crime!.

O que há para dizer? Se compararmos os álbuns com a apresentação ao vivo, não há dúvida que esta última está muitos pontos acima.

A sonoridade deste quarteto, aliada ao ambiente intimista do Sabotage Club, transportou-nos para um qualquer club britânico no fim da década de 70. Aqui podiam ter tocado uns Joy Division ou Bauhaus.

A voz e a linguagem corporal do vocalista/guitarrista Brady Keehn são uma espécie de miscelânea entre o emblemático Ian Curtis e o guitarrista/vocalista Volkan Caner, dos turcos She Past Away. Estranho? Talvez por isso tenha soado tão bem.

Os Sextile parecem agarrar o melhor dos dois mundos: os primórdios do post-punk e o que ainda está para vir. O público correspondeu a esta mistura da melhor forma possível: a cantar e a dançar -principalmente esta última (e quanto mais estranhos forem os movimentos, melhor).

Também é de destacar o jogo de luzes que ajudou a criar um ambiente perfeito. E se vamos falar de luzes, não nos podemos esquecer do guitarrista/teclista Eddie Wuebben. O músico não parou de abanar a cabeça fervorosamente, fazendo com que os seus cabelos loiros, aliados ao efeito das luzes, proporcionassem uma atmosfera algo psicadélica.

Embora tenha sabido a pouco, o público ainda dava mais uns pezinhos de dança. Os Sextile deixaram a sua marca e provaram que o post-punk veio para ficar.


Texto: Sara Delgado

Comentários