Sérgio Godinho editou esta quinta-feira “Sobe o Calor”, uma canção composta em parceria com Filipe Raposo, especialmente para a banda sonora de “Refrigerantes e Canções de Amor”, um filme de  Luis Galvão Teles com argumento de Nuno Markl.

“O Luis Galvão Teles ofereceu-me a ocasião soberana de escrever, pela primeira vez, uma canção a meias com o Filipe Raposo, talentosíssimo pianista, e, descubro-o agora, também muito bom compositor”, diz Sérgio Godinho. “Na letra que fiz para a música dele, andei à volta do tema do calor, dos refrigerantes, e do amor, sempre o amor. Começa e acaba o filme, sendo que no final é cantada por mim.” E revela: “Quanto ao Filipe, temos já outra canção aprazada. Agora, não há como parar.”

“Refrigerantes e Canções de Amor”,  estreou esta quinta-feira, dia 25 de agosto, nas salas de cinema e conta com um elenco de luxo, com nomes como Ivo Canelas, Victoria Guerra, Lúcia Moniz, João Tempera, Ruy de Carvalho, André Nunes, Gregório Duvivier, Marco Delgado com os quais contracenam Jorge Palma e o próprio Sérgio Godinho, no papel de um assassino implacável.

“Foi muito bom reencontrar o Luís Galvão Teles, e voltar a trabalhar com ele, tantos anos depois da “Confederação”, continua Sérgio Godinho. “Além da canção que escrevi com o Filipe Raposo, ele propôs-me um pequeno papel de um homem da noite, bigode e cicatriz no rosto, que faz trabalhos duvidosos por encomenda, assassínios incluídos. Há muito tempo que não fazia cinema, e deu-me um forte prazer mergulhar de novo nessas lides.”

A estreia desta canção acontece num período em que para além das apresentações com os Assessores, a sua banda “cativa”, tem dado atenção a colaborações oriundas das mais variadas áreas musicais: com Jorge Palma, no projecto JUNTOS, em que depois da edição em CD DVD, tem realizado inúmeras apresentações pelo país; a Norte, com a Orquestra de Jazz de Matosinhos, em que depois de uma apresentação numa Casa da Música lotada em Junho passado, se anuncia uma repetição, desta feita na Avenida dos Aliados, numa celebração popular em que as canções de Sérgio Godinho vestirão novas roupas; ou ainda, incrementando a dimensão da parceria com o pianista Filipe Raposo, compositor de “Sobe o Calor”, num espectáculo de voz e piano a ter lugar no Festival Literário Internacional de Óbidos em que uma vez mais, e sempre de forma surpreendente, Sérgio Godinho reinventará as suas canções.

Sempre inquieto, a actividade criativa de Sérgio faz ainda adivinhar que em breve, por entre outros projectos cinematográficos e literários, novas canções verão a luz do dia.

Comentários