Uma década depois da sua estreia no Rock in Rio Lisboa, os Muse voltaram ao Parque da Bela Vista para uma verdadeira explosão de energia.

O primeiro dia do Rock in Rio Lisboa levou 70.000 pessoas até à Bela Vista. O principal motivo para tal afluência foram, de facto, os Muse. As pessoas iam chegando em conta-gotas, uns numa correria, outros mais calmos, mas o motivo era o mesmo: assistir AO espetáculo do dia.

Para esta noite, a banda de Matt Bellamy decidiu então levar tudo e todos por uma viagem por duas décadas de carreira. Foi possível perceber a sua evolução, de como passam de um grupo de puro rock para um pop rock comercial, mas que ainda assim move plateias.

O espetáculo começou então com  a “fresca e fofa” “Tought Contagion”. A partir daí foi um desfilar de êxitos bem construídos. Como tal, não faltaram à festa “Psycho”, “Resistance” e claro, “Plug In Baby”.

Rock in Rio Lisboa | Agência Zero

Os fãs acérrimos não falharam uma e acompanharam Bellamy na voz, entre saltos e aplausos e verdadeiros gritos de “Hysteria”. Muito mais em “Starlight”. Com Matt de óculos de sol, a descer ao público e cantar bem juntinho à primeira fila…

Mas para quem achava que o espetáculo estava bom demais, não sabia o que estava então para vir, mesmo estando nós na reta final. Deu-se uma explosão com “Stockholm Sydrome”, “Time is Running Out”, “Madness” que terminou embrulhada em confetti ao com de “Mercy”.

Pouco depois, os Muse regressaram então ao Palco Mundo para o encore. Começaram bem com “Take a Bow” e “Uprising”. Terminaram a sua passagem por terras lusas com “Knights of Cydonia”.


Texto: Mónica Ferreira

Comentários