Nos dias 6 e 7 de julho, o TNSJ volta a acolher a ópera de Marcos Portugal. Um espetáculo com encenação de António Durães.

Marcos Portugal é um compositor do período joanino, considerado como um dos nomes da música portuguesa com a obra mais internacionalizada.

“La Donna di Genio Volibile” estreou-se pela primeira vez em 1796, em Veneza. Nove anos depois, a inquietação amorosa e a incapacidade de decidir de “La Donna” chegou à cidade do Porto e subiu ao palco do Real Teatro São João, antecessor do atual Teatro Nacional São João (TNSJ).

A peça inicia-se no Páteo da Condessa, onde estão quatro homens impacientes a aguardar a decisão de “La Donna”. Depois de quatro penosos anos de espera, esta criatura volúvel continua então incapaz de persistir numa escolha: “todos a querem e ela ainda não se manifestou a favor de nenhum”. Lauretta, sua amiga, anuncia o fim da espera: ela vai finalmente decidir. Ou talvez não. A verdade é que a decisão acaba então por se tornar mais fácil quando o Cavalheiro desiste deste “jogo de sedução”.

A direção artística é de António Salgado e direção musical de José Eduardo Gomes.

“La Donna” procura encontrar uma razão que sustente a sua escolha. Contudo, encontra de imediato outros motivos que a levam a rejeitar o que antes era certo. Se um é tirano, o outro é demasiado intelectual. Já o último é “doido”, pois será tudo o que a condessa quiser.

O espetáculo sobe ao palco na sexta-feira, às 21h, e no sábado, às 19h. A peça é para maiores de seis anos e é em língua italiana, mas legendada em português. O preço dos bilhetes varia entre 7,5€ e 16€.

Comentários