A Norte-americana Julie Byrne passa pelo no gnration (Braga) a 16 de junho para apresentar “Not Even Happiness”. O disco que celebra agora um ano, foi considerado um dos discos mais sublimes de 2017.

Nómada, sonhadora, naturalista e romântica são termos que se combinam integralmente na identidade de Julie Byrne. Num passado recente, mudou-se inquietamente entre diversas partes dos Estados Unidos da América aglomerando nas suas viagens influências. O resultado é folk sentimental, atmosférica e transparente que evoca Joni Mitchell, Cat Power, Grouper ou Julia Holter.

Autodidata, pegou na guitarra pela primeira vez após o seu pai adoecer e ter de a pousar permanentemente. Julie admite não saber ler música nem a ouvir frequentemente. Na verdade, o primeiro vinil que teve em casa foi o seu próprio.

“O novo álbum da compositora Julie Byrne tem a lucidez e tatilidade de um cristal de cura ” – Pitchfork

O seu primeiro registo oficial, em 2014, “Rooms With Walls & Windows”, é uma compilação de duas cassetes gravadas em 2012 e 2013: “Julie Byrne” e “You Would Love It Here”. Com o passar do tempo, entre mudanças de casa e quilómetros de estrada com projetos como Whitney, Angel Olsen, Kurt Ville e Steve Gunn, tudo a endereçou a voltar à sua cidade natal.

Cinco anos após a sua primeira experiência autoral, lançou “Not Even Happiness”, em fevereiro de 2017. Foi produzido por Eric Littman e gravado na casa de infância da cantora, em Nova Iorque. Os arranjos orquestrais combinam-se ao folk para jogar com o silêncio e os múrmuros de Byrne. A sua linguagem é difusa, traçando temas como a autonomia, o desejo e a luta.

 

Este é um álbum com um senso de autoconhecimento muito forte onde podemos escutar e ser tocados pela mundividência de Julie. “Not Even Happiness” integrou ainda a lista dos melhores discos de 2017 para as melhores publicações: Uncut, MOJO, The Guardian, Pitchfork, Spin, Stereogum e Consequence of Sound.

A artista estreia-se este ano em Portugal com três concertos agendados. No Teatro das Figuras, em Faro, a 13 de junho; na Galeria Zé dos Bois, em Lisboa, dia 15 e por fim, na única data no norte do país, a 16 de junho, no gnration.

Os bilhetes têm o custo único de 9€ e já se encontram à venda na bilheteira online e nos locais habituais.