De 10 de novembro a 11 de dezembro o corpo e a imagem reivindicam os seus lugares nos ecrãs e nos palcos. Realizadores, coreógrafos e bailarinos nacionais e internacionais humanizam os objectos artísticos e desafiam todos os públicos à reflexão e ao debate entre conversas, workshops e masterclasses.  O Festival InShadow destaca-se internacionalmente na área do vídeo-dança e assume um caminho essencialmente de risco no cruzamento de áreas artísticas do corpo e da imagem.   InShadow, o corpo imagina-se na sombra.

O tema da sombra estende-se por Lisboa num ano de estreias e mudanças. Na sua 8ª edição, o mapa do InShadow transforma-se para chegar a novos lugares. Teatro Camões, Museu do Oriente, Cinemateca Portuguesa, Museu da Marioneta, Fundação Portuguesa das Comunicações, Teatro do Bairro, Espaço Santa Catarina, Espaço Cultural das Mercês, Galeria das Salgadeiras, RA7 Gallery e Galeria da Faculdade de Belas-Artes, são os espaços de acolhimento do Festival InShadow.

De 10 de novembro a 11 de dezembro 2016, serão várias as iniciativas para todos os que procuram o encontro imprevisível entre cinema e dança. A programação do Festival InShadow revela o melhor na área da criação artística transdisciplinar, fragmentada nas áreas do vídeo, performance, instalações e exposições.  A sessão de apresentação do InShadow terá lugar no dia 4 de novembro, na Fnac do Chiado, com a presença de alguns artistas convidados. A moderação fica a cargo de Pedro Senna Nunes e Ana Rita Barata, directores artísticos e responsáveis pela programação.

Inshadow começa no Teatro Camões de 10 a 13 de Novembro com a estreia absoluta de Turbulência, uma nova co-produção Vo’Arte / Companhia Nacional de Bailado.

A CNB volta a colaborar com a Vo’Arte num desafio dirigido à equipa de coreógrafos composta por António Cabrita, São Castro, Henriett Ventura, e Xavier Carmo.   A 18 de novembro, o festival apresenta no Museu do Oriente a estreia nacional da performance Live Cinema Show, uma viagem imersiva pelo universo fantástico de Usagininen (dupla de artistas do Japão), onde a imaginação se cruza com a tecnologia.

A 19 novembro, ainda no Museu do Oriente, Usagininen promove um workshop de vídeo no qual os participantes podem reinventar o espectáculo do dia anterior.   De 21 a 25 novembro seguindo o percurso do fantástico, LittleShadow desafia o sentido criativo e crítico de crianças das escolas de Lisboa com o LAC (Laboratório de Actividades Criativas) e a Competição Internacional de Filmes de Animação, na Fundação Portuguesa das Comunicações e no Museu da Marioneta. Este ano as Sessões de Competição Internacional de Documentário realizam-se, pela primeira vez, na Cinemateca Portuguesa, local privilegiado para a reflexão e debate.

De 24 a 26 de novembro serão projectados 13 filmes de 13 países, com a presença de alguns realizadores. O Melhor Documentário será distinguido com o prémio Luna Andermatt, patrocinado pela Conserveira de Lisboa.  As Sessões de Competição Internacional de Vídeo-Dança estreiam-se no Teatro do Bairro, local de forte expressão artística e presença contínua no festival, com 44 filmes de 21 países.

O corpo move-se no ecrã de 29 novembro a 2 de dezembro e estende-se ao palco no dia 3 de dezembro com uma performance. A noite de 3 de dezembro encerra com a Cerimónia de Entrega de Prémios e Dj Set Le Cirque du freak.

O Melhor Vídeo-Dança é patrocinado pela Schweeps Portugal. O itinerário do Festival InShadow segue de 20 novembro a 11 de dezembro pelas instalações e exposições na Faculdade das Belas Artes, Espaço Santa Catarina, Espaço Cultural das Mercês, RA Lisboa e Galeria Salgadeiras onde o desenho e a fotografia acompanham instalações “holográficas” (IN VITRO, Itália e BOX, Portugal) e interactivas que desafiam conceitos de genética, e outras que questionam o lugar do corpo e a sua intervenção com o espaço envolvente. Destaque para a estreia das obras de João de Goes e José Carlos Neves.

Comentários