No passado dia 12 arrancou mais uma edição do EDP Cool Jazz nos Jardins do Maquês do Pombal (Oeiras). Coube a Charlie Wilson e a Jill Scott inaugurarem o palco da 13ª edição do festival.

O primeiro dia do EDP Cool Jazz não podia ter começado de melhor forma. Com Charlie Wilson, um dos maiores nomes do R&B, cantor e compositor norte-americano, a conquistar o público com a sua energia desde “Party Train”, o motor de arranque deste espetáculo que remonta a 1983 quando ainda era membro de The Gap Band.

Acompanhado de uma banda exímia e de quatro atraentes dançarinas, Charlie Wilson brindou-nos com os seus maiores êxitos como “You Dropped a Bomb on Me”, “Burn Rubber on Me” e “Outstanding” não deixando de fora o seu mais recente disco “Forever Charlie”, lançado em janeiro do ano passado, e a tão afamada “Uncle Charlie”.

Para além de bom músico, Charlie é também bastante atento. Ele sabia que nós estávamos a vibrar por dentro mas acanhados e foi então que decidiu pedir que todos se levantassem e dançassem com ele ao som das suas canções.

Apesar dos 63 anos, mostrou-se apto para o desafio que lhe foi proposto não mostrando sinais de fraqueza ou cansaço e aqueceu bem o público para o concerto que se seguia: Jill Scott.

Charlie-1

Jill Scott enche Jardins do Marquês de Pombal de Soul

Jill Scott, cantora e compositora, vencedora de três Grammy, atriz, poeta, enfim, uma artista multifacetada e bastante completa que entrou, chegou e matou.

Ainda que com um ligeiro atraso, quase que em jeito de testar a paciência do público, Jill surgiu em palco com um cachecol com as cores da bandeira portuguesa, comemorando a nossa conquista do campeonato da Europa.

A noite começou a ficar fria e as pessoas tomaram a iniciativa de irem para junto do palco e assim estarem mais protegidos das leves brisas arrepiantes. Jill apreciou esta iniciativa e foram várias as vezes que, de sorriso estampados nos lábios, conseguiu pôr todos a cantar.

Aqui foi-nos apresentado em primeira mão “Woman”, o seu mais recente disco, mas também levámos com os grandes êxitos dos seus 15 anos de carreira. Um concerto que para uns deixou um pouco a desejar e que para outros fez as delícias da noite.


Texto: Ana Coelho
Fotografias: Pedro Raimundo

Comentários