Djavan está de regresso aos palcos nacionais, no seguimento da digressão de “Vidas pra Contar”, o 23º disco da sua prestigiada carreira, que apresenta dia 4 de Novembro no Campo Pequeno, em Lisboa, dia 6 no Coliseu Porto e dia 7, no Salão Preto e Prata do Casino Estoril. Um espetáculo inédito, onde Djavan interpretará canções do seu novo álbum e, também, os grandes sucessos da sua discografia.

Neste disco, nomeado para os Grammy Latinos em quatro categorias, Djavan conta vidas reais, sob o filtro da poesia, do espanto pelo detalhe. Ao todo são, 12 faixas inéditas, onde o músico se revela um compositor maduro. Em “Vidas pra Contar”, a atordoante diversidade musical, que confirma a potencialidade criativa de Djavan, é transformada em linguagem musical, pela banda que o acompanha e pelos arranjos do próprio compositor.

Pode-se dizer que “Vidas pra contar” é um disco seu e dos músicos que o acompanham, o núcleo rítmico composto por piano (e teclados) de Paulo Calasans, baixo de Marcelo Mariano e bateria de Carlos Bala, além de violões e guitarras de João Castilho, do próprio Djavan e os sopros de Jessé Sadoc e Marcelo Martins.
Cantor, compositor, letrista, guitarrista e arranjador em todas as faixas, Djavan tem nessa banda de virtuosos a sua voz musical: uma voz que esbanja estilo, ao mesmo tempo que conversa com toda a tradição da música popular que sua mãe lhe apresentou, ainda na infância.

Nestes dois grandes concertos, além de canções do novo disco, aclamado pela imprensa especializada, o repertório do espetáculo inclui, também, sucessos mais antigos como: Flor de Lis, Linha do Equador, Lilás ou Eu te Devoro, entre muitos outros.

Recorde-se que Djavan completou 40 anos de carreira em 2015, ano em que foi agraciado com o Grammy Latino de excelência musical, em homenagem à sua obra.