Chico Buarque vai passar por terras lusas com “Caravanas”. O músico sobe ao palco do Coliseu do Porto a 2 e 3 de junho e a 7, 8 e 9 de junho atua no Coliseu de Lisboa.

Em março, Chico Buarque arranca com uma nova temporada da digressão do espetáculo “Caravanas”. A sua mais recente tournée estreou-se em Belo Horizonte, passou pelo Rio de Janeiro, num total de 25 datas.

O álbum “Caravanas” está presente na íntegra e dá rumo a todo o repertório. As restantes canções escolhidas dialogam com as mais recentes, seja por afinidades musicais ou temáticas. Através delas, Chico revisita sua própria história e reafirma, mesmo que não intencionalmente, a intemporalidade da sua criação.

O espetáculo traz ainda 19 canções de diferentes décadas, do início dos anos 60 até hoje. A obra de Chico confunde-se com a própria história do Brasil. Cronista apurado de seu tempo, traçou, em mais de 50 anos de carreira, um painel preciso do país, com seus contrastes, belezas e paixões inflamadas. Chico Buarque irá ainda neste espetáculo apresentar um tema da autoria de Assis Valente, duas parcerias feitos com Tom Jobim, que nunca estiveram presentes nos seus espetáculos oficiais e ainda clássicos que há muito não são apresentados ao vivo.

​O espetáculo é dedicado a Wilson das Neves, que faleceu em agosto de 2017. Para relembrar uma canção composta com o parceiro e baterista de várias digressões, Chico interpreta “Grande Hotel”.

“Caravanas” é inspirado no seu 38º disco, lançado no passado mês de julho.

Os músicos que acompanham o cantor são fiéis companheiros de palco: o maestro, arranjador e violonista Luiz Claudio Ramos, João Rebouças (piano), Bia Paes Leme (teclados e vocais), Chico Batera (percussão), Jorge Helder (contrabaixo), Marcelo Bernardes (flauta e sopros) e Jurim Moreira (bateria), substituindo Wilson das Neves.

Os espetáculos têm início marcado para as 21h30 e as portas dos recintos abrem uma hora antes. Os bilhetes já se encontram à venda nos locais habituais. O preço dos ingressos varia entre os 25€ e os 95€ em ambas as cidades.

Comentários