Está aqui!
Home > Música > Concertos > Thievery Corporation levam Coliseu de Lisboa ao rubro

Thievery Corporation levam Coliseu de Lisboa ao rubro

Thievery Corporation
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Os americanos Thievery Corporation escolheram Lisboa para o concerto de arranque da sua nova digressão europeia, após lançamento do seu último álbum “The Temple of I and I”.

A primeira parte foi assegurada pelos portugueses LOT, banda escolhida pelos próprios Thievery Corporation. Com a edição do seu último single “Take a Look”, a música electrónica com ritmos fortes e melódicos foi bem recebida pelo público especialmente depois de começarem a soar os primeiros acordes de “All I Need” – tema original dos Air.

Foi no Coliseu de Lisboa que apresentaram “Take a Look”, o seu mais recente single, que contou com a participação de Concha Sacchetti e de Joana Capucho. Para quem ainda não os conhecia, de certeza que ficaram cativados e a banda portuguesa acabou a noite de quarta-feira com mais um punhado de fãs ainda que só nos tenham brindado com cerca de meia hora de concerto.

Depois dos portugueses prepararem o Coliseu, chegou a vez dos Thievery Corporation subirem ao palco e darem início à festa do reggae e hip-hop. Com uma casa a rebentar pelas costuras, o grupo de Washington D.C. mostrou porque é que continuam a conquistar o público português.

O concerto arrancou em grande com “Facing East”, do álbum de 2002 “The Richest Man in Babylon”. Do mesmo álbum tocaram “Until the Morning” e “Culture of Fear”, do disco com o mesmo nome de 2011.

Acompanhados pelas vozes poderosas de Raquel Jones, Mr Lif, Notch, que cantam, respectivamente,as faixas “Letter to the Editor”, “Ghetto Matrix” e “True Sons of Zion”, do novo trabalho.

Um Coliseu de Lisboa completamente cheio, que nunca parou de dançar, em completa sintonia com a banda, sempre próxima do público.

Com uma carreira de mais de 20 anos, o duo tornou-se conhecido por fazer musica electrónica instrumental de dança com sons entre o acid jazz e trip-hop mas nunca com uma classificação musical definida. Exemplo disso mesmo é esta digressão que tem como base o disco recém-editado, a dupla Rob Garza e Eric Hilton traz-nos dub-reggae jamaicano, com os ritmos próprios da ilha e uma mescla de hip-hop.

No encore vieram os grandes sucessos da banda: “Sweet Tides”, “Lebanese Blonde” e finalizaram com o clássico “The Richest Man in Babylon”.

“Que pena não ter havido segundo encore”, ouvia-se à saída, num final de noite com muitos sorrisos (e muito suor!).

Para acederes à galeria completa clica aqui.


Texto + Fotografias: Pedro Raimundo

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X