Está aqui!
Home > Música > Concertos > Slayer, a explosão do trash metal no Coliseu de Lisboa

Slayer, a explosão do trash metal no Coliseu de Lisboa

Slayer
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Os Slayer passaram esta segunda-feira, dia 5, por Lisboa onde atuaram perante um Coliseu dos Recreios bastante bem composto e sedento de trash metal.

Tocava o relógio as 21h00, quando, perante um Coliseu já bem composto, subiam ao palco os nacionais Rasgo, escolhidos para abrir o concerto dos Slayer. O primeiro concerto desta banda, que debitou o seu thrash metal, cantado em português, durante pouco mais de 30 minutos.

E, para primeira vez em palco, o saldo é muito positivo. Liderados por um vocalista dinâmico e bastante comunicativo com o público, conseguiram fazer aquecer a plateia, com um thrash metal puro, com solos de guitarra muito bem conseguidos, e com um grande poder da bateria.

O público gostou, espera-se uma carreira promissora desta nova banda. Aguardemos futuras actuações, para percebermos o crescimento e desenvolvimento dos Rasgo.

Rasgo

Para acederes à galeria completa clica aqui.

Nome maior do metal e um dos componentes dos chamados Big Four do thrash metal, os Slayer voltavam a Portugal para apresentar Repentless, o seu último álbum editado em 2015, o 11.º registo de originais do grupo criado em 1981 em Huntington Beach (Los Angeles), sucessor de World Painted Blood (2009).

Com o Coliseu dos Recreios cheio como um ovo, o público estava sedento para ver e ouvir a actuação dos monstros do Thrash Metal. Aos primeiros acordes de “REPENTLESS”, explosão de energia no público, com os slayer a debitarem a sua música com uma velocidade alucinante.

Não havia tempo sequer para dizer Good Night à plateia, as músicas seguiam umas atrás das outras (Anti Christ, Disciple, PostMortem, Hate Worldwide,e War Ensemble), a um ritmo imparável.

O som roçava a perfeição, o quarteto mostrava-se coeso, e nem os falados problemas com a voz de Tom Araya se faziam notar. O massacre musical continuava, com Stillness, You against you, Mandatoty suicide e fight till death.

Gary holt, que substituiu o malogrado Jeff Henneman, após o seu falecimento em 2013, mostrava todo o seu virtuosismo na guitarra, ficando a certeza de que os SLAYER têm um guitarrista à altura do grande JEFF. A melodia seguia com, Dead Skin Mask, hallowed point, Die by the sword e Black magic.

Paul Bostaph dava um autêntico show na bateria, com uma qualidade e um poder impressionantes. Aproximava-se o último terço da actuação, e sentia-se no público, que daqui em diante, iam desfilar os grandes e maiores temas da banda.

E assim foi, com Tom Araya e Kerry King a liderarem e a mostrarem que são e serão sempre a alma e o coração dos SLAYER, vieram os temas Seasons in the Abyss e Hell awaits. Mas, e como se esperava, os 20 minutos finais, foram simplesmente arrasadores, com South of Heaven, Reign in blood e Angel of Death para terminar.

Que mais poderíamos pedir? Mais nada. 1h40m depois o coliseu dos recreios aplaudia a uma só voz os deuses SLAYER, num concerto brutal e que ficará na memória de todos os que tiveram a oportunidade de assistir.

Para acederes à galeria completa clica aqui.


Texto: José Teixeira

Fotografias: Bruno Ferreira

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X