Está aqui!
Home > Música > Concertos > Simone & Zélia Duncan: O que o passar dos anos fez desencontrar, a Casa da Música uniu

Simone & Zélia Duncan: O que o passar dos anos fez desencontrar, a Casa da Música uniu

Zélia
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Noite de outubro a lembrar uma noite de verão e, não sendo britânicas, a pontualidade assim o foi, Simone e Zélia Duncan trouxeram até à cidade do Porto, na passada sexta feira (6), uma enorme festa.

As duas amigas desde o início quiseram deixar claro que nas próximas horas se iria celebrar o amor e a amizade. Sem rodeios, Zelia esclareceu os mais confusos “a ideia é que a gente se emocione juntos”.

“Alguém Cantando” abriu a noite e, para quem se estava a deixar embalar, depressa foi obrigado a despertar com o ritmo de “A Palo Seco”. A forte cumplicidade das duas amigas enchia a atmosfera daquela sala com uma energia incrível, fazendo com que cada pessoa, embora sentada a assistir, tivesse que controlar por absoluto o corpo para que este não se deixasse levar pelo o ritmo contagiante das duas cantoras.

Felizes por regressar a Portugal “A terra de céu aberto. Terra onde a gente sua e a música soa”, acarinharam logo no início da noite a plateia com “A idade do Céu”.

A noite tornou-se nostálgica ao tocar “Amigo é Casa”, tema que deu mote para que as duas amigas se juntassem em palco, há nove anos atrás e, se as vozes de ambas eram bastante fortes, a amizade entre as duas, vista pelo público, conseguia ser mais forte ainda. Seguiu-se “Só se for”.

Naquela noite fizeram-se ainda ouvir temas como “Retrato de Vida”, “Vida da Minha Vida” ou “Tô” que, interpretados à vez por cada uma, fizeram com que o tempo voasse. Esquecido na mala não ficou o brasil africano, isto porque ao tocar “Alma” era certo que a palma direita da mão estava obrigatoriamente a bater na palma da esquerda.

A situação atual do Brasil não ficou esquecida nem capaz de deixar as duas amigas indiferentes. Reforçaram a importância de se pôr um travão à “ignorância que sai do armário”, e de começar a existir “igualdade pra sonhar”. A mensagem era simples mas a convicção com que Zélia Duncan interpretou “No Meu País” ajudou a torná-la ainda mais forte.

Ainda antes de terminarem o concerto, as duas voltam a cantar lado a lado, braço cruzado com braço, e a plateia voltou a juntar-se ao ritmo das duas amigas com “O Ralador”.

Por fim, se dúvidas houvesse que as mulheres são bem capazes de dominar o mundo, estas duas amigas, mulheres e de sangue brasileiro esclarecem qualquer uma delas pois, a verdade, é que fizeram da noite de sexta chinelo.

Para acederes à galeria completa, clica aqui.

Texto: Rita Pereira
Fotografias: Bruno Ferreira

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X