Está aqui!
Home > Destaques > Ryuichi Sakamoto: Primeiro álbum de estúdio está a chegar às lojas

Ryuichi Sakamoto: Primeiro álbum de estúdio está a chegar às lojas

Ryuichi Sakamoto
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Ryuichi Sakamoto prepara-se para lançar “async”, o seu primeiro álbum de estúdio. O disco chega às lojas no próximo dia 28 de abril.

Um dos fundadores da Yellow Magic Orchestra e vencedor do Óscar pelo seu trabalho na banda-sonora de “O Último Imperador”, Ryuichi Sakamoto é um dos artistas mais inovadores a emergir desde finais dos anos 1970. Aclamado pelos seus colegas músicos, tem criado intrigantes encontros musicais com artistas como David Sylvian, Iggy Pop, Tony Williams, Bootsy Collins, Jaques Morelenbaum e muitos outros.

“async” é o primeiro álbum de estúdio de Ryuichi Sakamoto em oito anos. É o seu disco mais pessoal, sucedendo a uma longa luta contra o cancro da qual Sakamoto emergiu com uma energia criativa renovada e apaixonada.

“Que tipo de sons/música quero eu ouvir?” “async” é a resposta a esta pergunta que Sakamoto se fez a si próprio ao longo dos últimos anos. Este é o álbum do qual está mais orgulhoso, sintetizando todos os seus interesses musicais e sonoros. Esta é uma viagem pelos sintetizadores analógicos, pelos sons de coisas e de sítios, por uma banda-sonora imaginária para um filme de Andrei Tarkovski, e por muitas outras surpresas musicais.

Enquanto compositor, intérprete, produtor e ambientalista, poucos artistas têm um currículo e uma legião de admiradores tão diversificados como Ryuichi Sakamoto. O seu trabalho tem abrangido vastos territórios musicais: de pioneiro da música electrónica com os Yellow Magic Orchestra a artesão de álbuns rock de inspiração global e  compositor clássico, passando por uma série de colaborações ambientais/minimalistas e mais de 30 banda-sonoras para cinema. O seu trabalho tem sido reconhecido por inúmeras honrarias e galardões, incluindo um Óscar, dois Globos de Ouro, um Grammy, a  Ordem do Cavaleiro Admissão do governo brasileiro e a Ordem das Artes e Letras do governo francês.

Nascido em Tóquio, Sakamoto começou a ter lições de piano aos três anos de idade. A início admirador de Beethoven, deixou-se rapidamente enfeitiçar pelo rock inglês – o primeiro disco que comprou foi “Tell Me” dos Rolling Stones – e em seguida pelo impressionismo francês. “O meu herói era Debussy,” diz, reconhecendo que a sua nova música transporta ainda ecos desse seu ídolo da adolescência. “A música asiática influenciou profundamente Debussy, e Debussy influenciou-me profundamente a mim. A música dá assim a volta ao mundo e dá um círculo completo.”

Após ter completado os seus estudos de música na Universidade Nacional de Belas Artes e Música de Tóquio, Sakamoto embarcou numa carreira a solo como compositor e intérprete, até o seu trabalho chamar a atenção de Haruomi Hosono. Com Hosono e Yukihiro Takashi, Sakamoto formou a Yellow Magic Orchestra, um grupo electrónico que desafiou as fronteiras dos géneros e o lançaria para o estrelato internacional. Os nove álbuns da Yellow Magic Orchestra estiveram na linha da frente da música electrónica e valeram-lhe milhões de fãs em todo o mundo.

Enquanto a Yellow Magic Orchestra conquistava o globo, Sakamoto continuava a editar discos a solo como “The Thousand Knives of Ryuichi Sakamoto”, e avançou para a fase seguinte da sua carreira quando Nagisa Oshima o convidou para entrar numa longa-metragem ao lado de David Bowie. Sakamoto aceitou ser actor no projecto com a condição de poder escrever a música do filme, e a banda-sonora de Feliz Natal, Mr. Lawrence tornou-se um clássico ao mesmo nível do filme de 1983. Seguiram-se inúmeras bandas-sonoras para filmes como O Último Imperador de Bernardo Bertolucci ou Saltos Altos de Pedro Almodóvar.

Desenhando canais de cultura e história por todo o mundo, Sakamoto escreveu música inspirada pelas tradições de Okinawa, da Indonésia e do Brasil, colaborando no processo com Bowie, David Sylvian, o dramaturgo e encenador Robert Wilson, o escritor William S. Burroughs, o tenor Jose Carreras e Sua Santidade o Dalai Lama, entre muitos outros. Escreveu igualmente música para os Jogos Olímpicos de Barcelona em 1992 e para o 400º aniversário da cidade alemã de Mannheim.

Desde meados dos anos 1990, Sakamoto tem dedicado muito do seu tempo a causas ambientais e pacifistas. A sua ópera de 1999 “LIFE” explorava as dinâmicas gémeas do século XX – GUERRA e Massacre, Ciência e Tecnologia, terminando numa nota de esperança e Salvação. Em 2006 Sakamoto lançou a campanha Stop Rokkasho, para travar a construção de instalações de processamento nuclear no norte do Japão. Em 2007 fundou a iniciativa ecológica more trees, que contribui para a compensação da libertação de carbono através da reflorestação. Desde o 11 de Março no Japão que Sakamoto tem defendido a ajuda às vítimas do terramoto, tsunami e catástrofe nuclear de Fukushima. Fundou as organizações de beneficência kizunaworld, LIFE311 e a Orquestra Juvenil de Tohoku, e organiza um festival anual, NO NUKES, que tem contado com a presença de inúmeros artistas japoneses de primeira grandeza bem como a Yellow Magic Orchestra e os Kraftwerk. Os seus esforços pretendem consciencializar o público sobre os perigos desnecessários da energia nuclear.

Em 2014, Sakamoto foi obrigado a fazer a primeira pausa longa da sua carreira, ao ser diagnosticado com cancro da garganta. O longo descanso e os cuidados médicos de primeira água permitiram-no regressar ao trabalho pouco mais de um ano depois, e fechou 2015 com as bandas-sonoras para The Revenant de Alejandro González Iñárritu, em colaboração com Alva Noto, e Nagasaki: Memories of My Son de Yoji Yamada.

Continuando a escrever para cinema – um processo que define como um desafio único e entusiasmante por oposição ao “universo íntimo e fechado” das suas composições a solo – Sakamoto tem colaborado recentemente com os artistas electrónicos Alva Noto, Christian Fennesz, Christopher Willits e Taylor Deupree. Por contraste com as sonoridades pop que o tornaram mundialmente conhecido, Sakamoto tem-se concentrado progressivamente mais no significado da música sem palavras. Na sua resposta ao consumismo do século XXI, o seu dinamismo politicamente consciente apenas cimenta a sua reputação como homem da renascença.

 

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X