A 20 de outubro, Marlene Barreto estreia “Reflexo” no Auditório da Biblioteca de Marvila e a peça estará em cena até 24 de outubro.

Encenada por Lucinda Loureiro e com movimento de Félix Lozano, “Reflexo” conta com o desempenho da própria actriz e do actor Hugo Sequeira. E ainda, com a música ao vivo da cantora e atriz brasileira, Brina Ribeiro que juntamente com o também músico brasileiro, Marcelo Scafi, compôs toda a banda sonora do espectáculo.

“Reflexo” surgiu durante uma viagem de avião entre Rio de Janeiro – Lisboa. Uma história que começou quase em formato de sonho, com imagens que foram aparecendo como flashes na mente da autora, Marlene Barreto (actriz, apresentadora, escritora). Imagens essas que, inicialmente, apareceram quase sem nexo e/ou ligação mas que, com o passar das horas, dias, meses foram-se ligando numa história que tinha urgência em ser contada. Daí, foi preciso algum tempo para construir uma linha de raciocínio que fizesse jus à história que surgia, como um acto de magia, acreditando que ela era tão mais bela do que qualquer coisa que se escrevesse sobre ela. Mesmo assim, Marlene, arriscou pegar na ideia, criando a oportunidade, e o que considera, o privilégio, de contar a história de Alice e Gabriel, acreditando que as ideias têm uma espécie de vida própria e que procuram um corpo e uma mente que as possa concretizar. No entanto, diz-nos, “elas não ficam para sempre à espera de serem desenvolvidas. Se aquele corpo não estiver à altura, outro estará e assim passam as ideias de corpo para corpo, de mente para mente”.

“Querendo a todo o custo que esta história, não se farte de mim, decidi, pura e simplesmente, escrevê-la e pedir ajuda para colocá-la em cima do palco.” confessa Marlene.

Alice e Gabriel são dois estranhos que se encontram, diariamente, no mesmo lugar: o café – livraria “A Travessia”. Alice é uma jovem escritora, muito comprometida com os seus textos e com a sua rotina de escrita. Gabriel, um homem cheio de charme, um bon vivant que frequenta todos os dias aquele lugar, não consegue ficar indiferente à jovem que parece ignorar tudo e todos à sua volta, apenas tendo olhos para uma simples máquina de escrever.
Gabriel, confiante dos seus atributos, acredita que, com algum glamour, chamará a atenção da jovem. Tarefa nada bem sucedida quando ela o expulsa, argumentando que este está a atrapalhar a sua atenção. O jovem não desiste da escritora e convence-a a ler um dos seus textos. Inicialmente, Alice resiste, desculpando-se com todos os argumentos, mas a tamanha insistência do jovem, fá-la render-se com a condicionante de que Gabriel se vire de costas sempre que ela ler um texto seu.
Os dias vão passando e os dois passam a ter encontro reservado, todos os dias, à mesma hora, no mesmo lugar. A cumplicidade torna-se inevitável e a paixão vai cercando todos os limites. Um amor imenso que será ameaçado pela verdadeira identidade de Alice.
Uma história de amor, onde só o amor, não é suficiente.

Dias 20, 21, 22, 23 e 24 de Outubro no Auditório da Biblioteca de Marvila. Sexta, sábado e domingo, a peça tem início marcado para as 21h30 e no domingo para as 16h30.

RESERVAS DE BILHETES ATRAVÉS DO NÚMERO: 933 313 982

Comentários