O final de 2015 foi assolado por uma febre – daquelas mesmo febris – em torno do novo filme da saga Star Wars. O novo que é o último, mas que fala do princípio? Confesso que não sei. Pertenço àquela franja mínima de pessoas humanas que nunca viu ou teve especial interesse pela saga Star Wars e que, por vezes, confunde Star Wars com Star Trek.

Ainda assim, era impossível fugir ao tópico: no twitter, no facebook, no instagram, nas montras de algumas lojas… a omnipresença das personagens Star Wars revelou-se efectivamente presente. Fazia falta um livro “Star Wars para totós” ou “Star Wars em 90 minutos”. Ou até um grupo de auto-ajuda para pessoas como eu.

Admito. Sei cantarolar o tan tan tan tan ran tan tan ran tan tan ran. Mas note-se: eu até sei, de cor, as músicas dos Excesso. Ou do Demis Roussos. Já para não falar dos ABBA. Ou até do Enrique Iglesias que, quanto a mim, servia perfeitamente para hino do grupo de ‘Ssoas que não foram afectadas pela força recentemente desperta. A saber:

Com seu físico e sua química também sua anatomia
Cerveja e tequila e sua boca com a minha
Não aguento mais
Não aguento mais
Com esta melodia, esta minha fantasia
Com tua filosofia a minha mente está vazia
Não aguento mais
Não aguento mais

Eu quero STAR CONTIGO
Viver contigo, dançar contigo
E ter contigo uma noite louca (uma noite louca)
E beijar tua boca

Havia muito a dizer sobre esta letra, que introduz até a temática filosófica do vazio. Afinal, o Enrique Iglesias também mora na filosofia – e garanto-vos que se eu descobrisse qual era a rua dele, colocava em prática o Bailando na sua companhia. Oh se praticava.

Mas não temos tempo. Há toda uma saga Star Wars para ver, com direito a sabres de luz, pequenos Jedis, grandes Darth Vader, Obi Wan Kenobis e Skyalkers desta vida e caras de Chewbacca.

O facto é que a força está desperta e ‘Stá com muitos de vós. Vejamos a análise Social Bakers sobre as tags mais usadas no twitter, aqui ou os números IMDB sobre os resultados de bilheteira – também disponíveis neste site.

* imagem gentilmente cedida pela Carlota Burnay

Comentários