Está aqui!
Home > Música > Concertos > Porto Best Of: Oh Marta Ren, isto Jafumega!

Porto Best Of: Oh Marta Ren, isto Jafumega!

Jafumega
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

A sexta ronda do Porto Best Of contou com as atuações de Marta Ren & The Groovelvets e Jafumega. Dois concertos que fizeram o Teatro Rivoli vibrar.

Porto Best Of, Teatro Rivoli, e as pessoas iam “passito a passito” até a uma das salas mais emblemáticas do Porto para assistir não só ao espetáculo energético de Marta Ren & Groovelvets como aos do já velhinhos Jafumega.

Cheia de “power”, e depois da banda nos ter confessado que já tinham saudades de apresentar a cantora e o espetáculo em português, lá se deu a mais um noite em pleno coração da Invicta. Marta Ren chegou e rebentou logo tudo. Esta mulher não para em palco. Energia? Inesgotável. Voz? Poderosa.

De vestido negro, com as já habituais franjas, o concerto colocou o Rivoli em alvoroço. “I’m Not Your Regular Woman”, canta-nos em alto e bom som ao menos tempo que dança muito ao seu estilo para depois afirmar que até existem “2 Kinds of Man”.

Ainda que o povo estivesse colado às cadeiras, depois da artista portuguesa pedir, lá num “hey hey” esticaram os braços bem lá no alto. No meio de tantos “meninos e meninas”, como nos carinhosa chamou por estarmos meios acanhados, lá houve um ou outro corajoso que se levantou, saltou e cantou com Marta Ren & The Groovelvets.

O palco estava cheio, de música, de músicos e repleto de energia. Ouviu-se “It’s Today” e desta vez pede-nos mesmo para nos descolarmos das cadeiras. A grande maioria do público aderiu a esta iniciativa e vibrou frente a frente com a banda de soul e funk em “Let’s Talk About the Kids”.

Haverá forma melhor de entrar no fim de semana do que não ser com um sorriso de orelha a orelha?! Claro que não, daí Marta nos dizer “vamos todos cantar “Smiling Faces” para entrarmos no fim de semana mais aliviados”. Se até então os ânimos estavam lá no alto, estava na altura de uma pausa, de um momento para relaxar e estampar ainda mais o sorriso no rosto.

Tanto marta como os restantes oito músicos exímios que a acompanham, os The Groovelvets, não pararam nem por um segundo, percorrendo o palco de uma ponta a outra. Quiçá por isso mesmo terminaram “So Long” deitados no chão. Não, eles não saíram do palco a rastejar nem sequer o abandonaram, pelo menos naquela altura.

Uma noite fria, que nem parece que estamos quase a entrar no verão. Se calhar por isso mesmo alertou-nos que “Summer’s Gone”. Esta que é uma das canções do repertório de Marta Ren mais conhecidas do público em geral. As últimas filas estavam ao rubro e aos poucos e poucos o Rivoli foi-se levantando e dançando.

A verdadeira e derradeira despedida veio com “I Wanna Go Back”. Aqui sim, o Teatro levantou-se em peso e no final da atuação, com a banda toda na frente de palco aplaudiram em jeito de apreço por estes bons cerca de 45 minutos de boa música e animação.

Para acederes à galeria completa clica aqui.

Depois de uma breve pausa, estava na altura dos já tão conhecidos e, infelizmente, esquecidos por muitos, Jafumega subirem ao palco. Com uma foto dos membros originais da banda ainda novinhos em pano de fundo por breves segundos, Luís Portugal, vocalista, espera que “esta noite vos vá direta ao coração”, nesta que é a estreia da banda no Teatro Rivoli.

O concerto arrancou com “O Outro Dia do Ano” mas foi “Kasbah” que colocou a sala toda a cantar e a vibrar com os Jafumega.

Se Luís Portugal nos dizia “Sei que Pareço Um Ladrão”, também sabia que “Liquidamos a Existência” e “Só a Ti” veio com um nariz vermelho que deu um toque especial não só a interpretação como a toda aquela produção simplista que apostava em cores laranjas e vermelhas e um videoclipe que nos remota à RTP Memória.

A nossa memória? Estava impecável! Depois de elogiar alguns dos grandes poetas que temos por cá, revisitou Florbela Espanca com “Rústica”.

Claro que no alinhamento para este concerto não faltaram aqueles grandes êxitos como “Guida Peituda”, Nó Cego” e “Romaria”. Uma atuação que incidiu essencialmente no disco de estreia, homónimo, dos Jafumega lançado em 1982 mas que não deixou de lado outros temas de outros trabalhos como “Ribeira”.

Para acederes à galeria completa clica aqui.


Texto: Mónica Ferreira

Fotografias: Bruno Ferreira

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X