Está aqui!
Home > Destaques > Podíamos filosofar sem festivais de verão? Podíamos, mas não era a mesma coisa. Viva o ζωντανός

Podíamos filosofar sem festivais de verão? Podíamos, mas não era a mesma coisa. Viva o ζωντανός

verão
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Verão rima com festivais de música: eles andam aí, fim de semana após fim de semana, a invadir o país e a proporcionar emoções (estéticas) aos festivaleiros.  A aldeia Filosofia não fica atrás: sim, também há um festival de verão. Mas um festival com algumas particularidades: apenas uma banda que toca  todo o tipo de músicas, em ode aos filósofos que por cá moram.

A banda é constituída por Nietzsche, na bateria, Sartre no baixo, Wittgenstein na voz, Peirce no contrabaixo, Montaigne na viola, estando os coros a cargo de Pascal, Espinosa e Montesquieu. Um luxo. Durante dois dias estes filósofos espalham magia no coreto da aldeia. O festival é preparado com muito cuidado de forma a que (quase) todos os habitantes (re)vejam a sua perspectiva filosófica numa das músicas.

Convidei alguns amigos para o festival, que é, acima de tudo, uma oportunidade de convívio. Além disso, no final, Nietzsche destrói sempre a bateria, numa performance altamente zaratustriana e divertida.

É a primeira vez que venho ao  ζωντανός confessou o André. Mas estou muito curioso. A nós juntaram-se a Ana, a Xana, a Lili, o Hugo, a Fátima, a Cláudia, o Carlos Miguel, o Pedro e a Sandra. Ah, e a Madalena, que veio expressamente de Luanda para assistir ao festival. Podia lá eu perder uma oportunidade destas? Só espero que não me calhe na rifa um bailarico qualquer, dizia a Madalena, enquanto trocávamos os passes de dois dias pela pulseira.

Vários foram os êxitos (filosóficos)  que fizeram eco pela aldeia. O utilitarismo, de Stuart Mill com o êxito Use somebody, dos Kings of Leon. A provocação a Santo Agostinho, com uma cover de Putos a roubar maçãs, dos Dead Combo. A referência ao motor imóvel de Aristóteles com Running to stand still, dos U2.

E várias canções de amor: Somebody that I used to know, de Gotye, assumindo a perspectiva de Schopenhauer, o Love me do dos Beatles a fazer lembrar o amor platónico. E tantas foram as questões éticas que nos surgiram com temas como Hedonism, dos Skunk Anansie e o Try walking in my shoes, dos Depeche Mode. Aristipo de Cirene e Epicuro, que estavam a trabalhar no festival, a vender cerveja com um barril às costas, foram encontrados a discutir as questões do prazer em vez de circular entre as pessoas. Parece que para o ano não serão contratados.

A  segunda e última noite terminou com uma fartura na roulote da Santa Teresa d’Àvila, que desta forma tentar angariar fundos para as Carmelitas. E não houve melhor forma de celebrar dois dias de filosofia e música: saboreando uma fartura (mística). Para o ano há mais.

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X