Está aqui!
Home > Música > Concertos > Pedro Moutinho ao vivo na Culturgest com “A Noite nos Poemas do Meu Fado”

Pedro Moutinho ao vivo na Culturgest com “A Noite nos Poemas do Meu Fado”

Pedro Moutinho
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

A ligação entre a noite e o fado é o fio condutor do espectáculo que Pedro Moutinho concebeu especialmente para a Culturgest. Dos cerca de 25 fados que irá interpretar, há vários que no próprio título remetem explicitamente para essa união.

Entre o fado e a noite existe uma relação profunda que remonta às origens desta canção, ao meio em que nasceu e cresceu. O fado, que surge em Lisboa como canção vivida por marginais em ambientes nocturnos, propícios aos excessos e aos pecados, dá-se mal com a luz do dia, dá-se bem com a escuridão ou a penumbra da noite. Os fadistas muitas vezes cantam de olhos fechados. Nas casas de fado as luzes baixam quando se começa a tocar e a cantar. É conhecida a história da primeira gravação para disco de Alfredo Marceneiro. Era dia, no Teatro Taborda. “Mas oh Hugo, eu não sei cantar à luz do dia!”. O histórico técnico de som Hugo Ribeiro, que contou esta história, resolveu o problema vendando os olhos ao mestre com o lenço que ele costumava usar ao pescoço.

Pedro Moutinho foi buscar o tema da ligação entre a noite e o fado como condutor do espetáculo que concebeu especialmente para a Culturgest.
Dos cerca de 25 fados que irá interpretar, há vários que no próprio título remetem explicitamente para essa união: “Sou a noite”, “Noite cerrada”, Meia-noite e uma guitarra”, “Noite”. São fados ditos tradicionais, isto é, e simplificando, em que a melodia está de tal forma construída que suporta vários poemas, o que permite interpretações muito diversas de tal modo que parecem fados sempre diferentes. As letras são da autoria de grandes poetas populares ou eruditos.

Pedro Moutinho, como os seus irmãos Camané e Hélder Moutinho, vive o fado desde muito pequeno, por influência dos pais, e em menino já o cantava. A sua discografia conta com seis títulos, cinco dos quais com originais. Mas é no último, O Fado em nós, de 2016, que gravou a sua, até agora, obra-prima, “a sua jóia mais polida”, como escreveu Nuno Pacheco. Pedro Moutinho é hoje, por provas dadas, dos maiores da sua geração.

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X