Está aqui!
Home > Philo Arte > O teatro mora na filosofia – e isso é absolutamente fabuloso!

O teatro mora na filosofia – e isso é absolutamente fabuloso!

PhiloArte
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

A noite prometia humor e gargalhadas com fartura: o elenco da peça de teatro “Absolutamente Fabulosos” não deixava margem para dúvidas. Luís Aleluia, Noémia Costa e Joana Figueira, e ainda Nietzsche, Séneca e Sócrates (o grego).

Rir é o melhor remédio, já diz o povo. Certamente que Bergson teria algo a dizer sobre isso, bem como outros filósofos que trataram de questões relacionadas com o humor e o riso. Muitas vezes são os próprios filósofos a ser alvo do humor e a provocar o riso, tendo em conta que muitas vezes são protagonistas de vidas aparentemente estranhas e fora da norma.

Absolutamente fabulosos é uma peça que nasce de uma ideia original de Noémia Costa, tendo sido escrita por Roberto Pereira e encenada por Beto Coville. As personagens em palco são duas actrizes sem trabalho, em crise e que têm que conviver com o humor e o sarcasmo do mordomo da casa de uma delas. Há ainda um agente cheio de truques na manga para roubar… o coração das actrizes.

As peripécias são muitas e o humor é simples, inteligente e actual. Pisca-se o olho à realidade e mantém-se o espírito positivo e de “vamos lá arregaçar as mangas” – afinal, o português é especialista no desenrascanço. Tenho para mim que este deveria até ser elevado a categoria filosófica. Quem sabe um dia?

Há lugar para a referência a alguns filósofos, bem como a um verso de Toy – quem diria que Nietzsche iria pisar os palcos do Teatro Armando Cortez? E Séneca? Desta forma, o autor do texto, Roberto Ferreira, sorri à filosofia e aproxima-a das pessoas que vão escolher as quintas, sextas, sábados e domingos, até dia 3 de janeiro, para ir até ao Teatro Armando Cortez.

O teatro tem raízes gregas – alguns dos primeiros filósofos foram autores de tragédias e comédias. Nietzsche – filósofo alemão citado na peça – dedicou várias páginas do seu trabalho ao estudo da tragédia grega. Imaginando que Friedrich tinha oportunidade de ir até à Casa do Artista, imagino que se iria embriagar do espírito dionisíaco da peça, que pratica o dizer sim à vida, “mesmo nos seus mais estranhos e mais duros problemas” [in O Crepúsculo dos Ídolos, de Nietzsche].

Filosofias à parte – ou talvez não – a peça Absolutamente fabulosos está em cena e aconselha-se. Vivamente!

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X