“O Corvo”, ópera de câmara pela Inestética Companhia Teatral, ocupa o palco do Theatro Circo durante os dias 19 e 20 de janeiro. O espetáculo explora a forte dimensão visual e sonora de um dos mais extraordinários textos de Edgar Allan Poe e tem Rui Baeta no papel principal.

Publicado pela primeira vez em 1845 e traduzido de forma exemplar por Fernando Pessoa, “The Raven/O Corvo” serviu de inspiração e base estrutural para a composição desta ópera de câmara. Através de uma notável arquitetura poética, que se assemelha a uma composição musical, Edgar Allan Poe criou um universo sombrio, onde um homem enfrenta a perda, o medo, a solidão e o vazio.

Nesta produção, o espaço cénico é ocupado pelo protagonista, o barítono Rui Baeta, três músicos que formam uma pequena orquestra sombria e uma bailarina, Yara Cléo, cuja presença ambígua simboliza a figura da mulher morta (Leonora), a devastação interior e a própria morte.

Com música original de Luís Solnado e encenação de Alexandre Lyra Leite, este espetáculo é a terceira colaboração entre o compositor e o encenador, que apresentaram “Serei Eu Fugindo?” (2013), ópera para uma viagem de comboio, e “Lisboa Muda” (2014), filme-concerto para a estação fluvial do Terreiro do Paço.

Associada a esta apresentação, Rui Baeta e Alexandre Lyra Leite serão os intervenientes da próxima “Conversa Fora do Palco”, que incidirá sobre o processo de criação da ópera “O Corvo”. De entrada gratuita, o encontro terá lugar a 17 de janeiro (terça), às 19h00, no Salão Nobre do Theatro Circo e será filmada pela Rádio Universitária do Minho.

O espetáculo acontece nos dias 19 e 20 de janeiro e têm início marcado para as 21h30. Os bilhetes têm um custo único de 15€ (Cartão Quadrilátero: 7,5€) e estão disponíveis nos locais habituais.

Comentários