Em novembro, a tradição diz-nos que o festival de música com maior reconhecimento alternativo do momento mora na Avenida da Liberdade e dá pelo nome de Vodafone Mexefest. As mais recentes confirmações para a edição deste ano são NAO, TaxiWars e La Dame Blanche.

NAO é o alter-ego de Neo Jessica Joshua. Com formação em Jazz, começou nos palcos enquanto backing vocals para nomes como Kwabs e Jarvis Cocker. No entanto, depois de um EP que gerou enorme clamor, os anos de 2014 e 2015 colocaram-na nas bocas do mundo. A sua música tem como base o funk, ao qual Neo junta eletrónica e R&B. O disco de estreia, lançado este ano, é fenomenal e confirma este novo valor da música britânica. Chama-se “For All We Know” e terá seguramente vincado protagonismo no Vodafone Mexefest.

Os TaxiWars resultam das mentes criativas do belga Tom Barman, líder dos dEUS, e do saxofonista norte-americano Robin Verheyen. Ao projeto chegaram depois Nicolas Thys e Antoine Pierre, dois brilhantíssimos músicos belgas. O Jazz é a matriz sonora, mas na música dos TaxiWars podem ouvir-se outros géneros com um travo muito cosmopolita e intenso. Com o disco de estreia homónimo lançado no ano passado, 2016 trará “Fever”, bem a tempo de ser apresentado no Vodafone Mexefest.

Filho de peixe sabe nadar. No sangue de Yaite Ramos Rodriguez corre o de Jesus “Aguaje” Ramos, incrível trombonista e diretor artístico dos Buena Vista Social Club. A herdeira de tão consagrado músico cubano é também ela genial. Compõe, canta, toca flauta e percussões, e como La Dame Blanche oferece música que mistura hip hop, cumbia, dancehall e reggae. Traz-nos “2”, segundo disco de originais que conta com a participação de nomes como Babylotion e Emiliano Gomez (El Hijo de la Cumbia, Ego 360), bem como Philippe Cohen-Solal (Gotan Project) na produção e mistura. A descobrir e a não perder no Vodafone Mexefest

Comentários