Está aqui!
Home > Destaques > Moonspell: Novo disco é totalmente cantado em português

Moonspell: Novo disco é totalmente cantado em português

Moonspell
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Os Moonspell preparam-se para editar “1755” em setembro. Este novo disco irá incidir sobre o terramoto que devastou Lisboa e será todo cantado em português.

“1755”, o novo disco dos Moonspell tem edição agendada para 3 de setembro e este será o primeiro álbum da banda totalmente cantado em português. Este novo trabalho conta também com a participação do fadista Paulo Bragança no primeiro single extraído deste novo disco – “In Tremor Dei” – e será também lançado no próximo mês de setembro.

O novo disco será apresentado, pela primeira vez, ainda antes da sua edição e em sessão tripla da “Tour 1755”: dois concertos em Lisboa (30 e 31 OUT) e um regresso muito aguardado ao Porto onde os Moonspell não tocam há mais de dois anos, no primeiro de novembro.

1755 será tocado na íntegra nestes concertos de apresentação em Lisboa e no Porto, que contam ainda com a presença do fadista Paulo Bragança em palco. O alinhamento para estes concertos inclui também temas mais obscuros da carreira dos Moonspell.

O disco é uma reflexão poética, musical e filosófica da banda sobre o evento de 1 de Novembro de 1755 em Lisboa e as suas repercussões no mundo civilizado. Serão 10 temas que na carreira da banda encontram ecos longínquos em discos como “Under the Moonspell” ou “Alpha Noir” mas que apresentam, sobretudo, uns Moonspell como nunca os ouviram a cantar um Portugal e uma Lisboa que não é solarenga, nem turística, nem luminosa.

É um disco de raiz Metal, com riffs vibrantes, orquestrações épicas e vozes e letras que testemunham a agonia daquele dia. A banda preocupou-se também em recriar a época, existindo uma fusão com elementos percussivos e melódicos que remete para os fins do século e para a atmosfera que se vivia na capital portuguesa na altura.

Um disco histórico, rigoroso e sério. A besta negra que fazia falta à Música contemporânea em Portugal.

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X