Está aqui!
Home > Música > Festivais > MEO Marés Vivas termina em grande com James

MEO Marés Vivas termina em grande com James

James
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Ao terceiro dia de MEO Marés Vivas, os James tomam contam do palco principal, fechando a última noite do festival com chave de ouro.

Depois da calma Beth Orton, do rock de Rui Veloso foi a vez dos James subirem ao Palco MEO e levarem todos ao rubro com as suas canções. Se às 19h o recinto estava menos que a meio gás, aquando do concerto dos britânicos havia povo a perder de vista.

Dentro da horário marcado, os James deram início ao espetáculo com “A Portuguesa” pondo todos de mão ao peito e a cantarem numa só voz. Andy Diagram, trompetista da banda, estava vestido a rigor com uma camisola da Seleção Portuguesa com o número 7 estampado a par do seu nome. Depois da forma solene e estridente como nos deram os parabéns por termos trazido a taça para casa, lá se deu início ao concerto com “Interrogation”.

Já todos sabemos que Tim Booth tem uma energia inesgotável, que gosta de ter contacto direto com o público por isso mesmo em “Move Down South”, desceu do palco para junto da primeira fila. o que é que vinha a seguir? Já sabíamos, ele ia-se atirar a nós como já é habitual, mas não. Decidiu fazer apenas uma ameaça para depois em “Catapult” é que se catapultar para os nossos braços e percorrer as primeiras filas.

Para este dia, os James trouxeram-nos um alinhamento que insistia em temas mais recentes mas não foi motivo de desagrado para o público. Aliás, os fãs sabiam (e muito bem) as novas canções e nem por um segundo hesitaram em juntar as suas vozes à de Tim fazendo um coro mais que perfeito e exemplar.

E então, não houveram clássicos? Claro que sim! Os míticos “Come Home”, “Johnny Yen”, “She’s a Star”, “Just Like Fred Astaire” fizeram as delícias dos presentes voltando de rompante a 2014 com “Curse Curse” cujo MEO Marés Vivas serviu de cenário para a gravação do videoclip desta canção.

A primeira parte do concerto terminou com a velhinha “Sometimes” que, pelos vistos, veio substituir a tão desejada “Sit Down”. Com todo o recinto (bancada incluída) num autêntico alvoroço, a cantar, a gritar cada verso desta canção, Tim Booth congelou e, emocionado, ficou ali, impávido a olhar-nos, a admirar a proeza.

O encore recebeu “Moving On”, “Nothing But Love” e “Getting Away With It” e, no final, estavam todos contentes e saciados de James.

Se o Marés Vivas podia ter acabado de outra forma? Podia mas não era a mesma coisa.

James

Para acederes à galeria completa clica aqui.

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X