Agir e Miguel Araújo são as primeiras confirmações nacionais do MEO Marés Vivas. Os artistas atuam nos dias 14 e 16 de julho, respetivamente no palco principal no festival.

E logo no primeiro dia do festival, a 14 de Julho: AGIR – compositor, produtor e intérprete desde os 12 anos de idade, Agir herda dos pais a paixão pelas artes performativas decidindo rapidamente que é na música que quer viver. Aos 20 anos gravou o seu primeiro álbum “Agir”, seguindo-se o EP “Alma Gémea” (2013) e a mix-tape #agiriscoming, em 2014.

“Leva-me A Sério” é o novo álbum de Agir, que nele mostra o imenso talento de um dos principais cantores da nova música portuguesa de expressão urbana, sendo todas músicas escritas e produzidas por si. Os videoclipes dos singles “Tempo é Dinheiro” e “Ela Parte-me o Pescoço” foram já visualizados por muitos milhões de fãs que insistem também em marcar presença em massa nos seus concertos, fazendo destes verdadeiras enchentes como se viu nos Centros Comerciais Colombo e Fórum Algarve e festivais Sumol Summer Fest, MEO Sudoeste e Sol da Caparica, entre muitos outros por todo o País. Antes do final do ano, Agir ainda teve tempo de ganhar o Best Portuguese Act da MTV Portugal, representando assim Portugal na gala MTVEMA 2015, em Milão.

MIGUEL ARAÚJO já é artista da casa e no dia 16 de Julho regressa para um concerto muito especial. É um dos artistas mais completos da nova geração da música portuguesa. Cantor, músico e compositor, deu-se a conhecer n’Os Azeitonas, a banda portuense que aos poucos se foi afirmando como um dos mais interessantes fenómenos de culto do panorama nacional (Anda Comigo Ver os Aviões, Quem és Tu Miúda, Ray-Dee-Oh, etc).

Em 2016 estreou-se na Suíça e em Inglaterra, sempre com excelente receção do público. Este ano ficou, no entanto, marcado pelos concertos com António Zambujo nos Coliseus de Lisboa e Porto, e pelo recorde que atingiram, ao serem marcadas 28 datas. A dupla terminará a aventura em Beja e na Maia, as suas terras natais.

Tanto “Cinco Dias e Meio” como “Crónicas da Cidade Grande” atingiram a marca de Disco de Ouro, e a edição limitada e numerada de “Cidade Grande ao Vivo” esgotou, tendo sido posta à venda uma segunda edição, com o registo áudio do concerto no Coliseu do Porto.

Atualmente, Miguel Araújo encontra-se a trabalhar no sucessor de “Crónicas da Cidade Grande”.

Comentários