Está aqui!
Home > Música > Concertos > Maria Bethânia no Coliseu do Porto: Um samba de verdade e poesia

Maria Bethânia no Coliseu do Porto: Um samba de verdade e poesia

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

A cantora e compositora brasileira esteve ontem no Coliseu do Porto para a terceira e última atuação em Portugal que integra esta tour. Depois de passar pela capital, a artista rumou ao Norte e proporcionou uma noite encantadora às quase 3 000 pessoas que encheram o Coliseu.

“Maria Bethânia: Grandes Sucessos” – Os mais de 50 anos de carreira da artista dispensam qualquer apresentação. Maria Bethânia fez o que tão bem sabe fazer e deixou a plateia completamente rendida. Um ambiente mágico e único que apenas alguns artistas conseguem reproduzir.

Com poucos minutos de atraso, entra no palco uma das maiores referências e lendas vivas da música brasileira. Descalça, como é hábito, Maria Bethânia provou que os seus 71 anos são apenas números que traz consigo, porque a energia vibrante e a voz firme e limpa, estão intactas.

“Gema” foi o primeiro dos mais de 25 temas que a artista brasileira entoou ao longo de quase duas horas de espetáculo. Seguiu-se “O quereres” e com “A Dona do Raio e do Vento” chegou o primeiro de muitos poemas que a artista declamou – “Ela faz da segurança a sua força”. Este tema fala de Iansã, a senhora dos ventos e da tempestade.

Durante todo o espetáculo, além dos agradecimentos, a cantora pouco mais conversou. E nem precisou. A sua história e o seu corpo mostravam que é uma artista completa e que o palco é a sua casa. Conseguiu desconcertar o público com os seus poemas que soam com tamanha verdade e ao mesmo tempo fez do Coliseu uma pena para voar com ela em cada canção.

“Onde Estará o Meu Amor” e “Estado de Poesia” estiveram também no reportório da passada noite. Seguiu-se um momento intimista com a artista a cantar o tema “Lágrima” acompanhada apenas por uma guitarra.

“A Balada de Gisberta” também não foi esquecida. Este tema retrata a vida de uma imigrante ilegal brasileira que foi brutalmente assassinada em 2006.

Depois deste momento, Maria Bethânia saiu de cena para trocar o vestido dourado e brilhante com que se havia apresentado. No palco, ficaram os sete músicos que a têm acompanhado. Com violoncelo, piano, guitarras, bateria e percussão entoaram alguns sambas e mereceram as palmas que lhes seguiram.

De volta, desta vez com uma saia igualmente brilhante, Maria Bethânia cantou o tema “Cálice” e entoou mais um poema. “Se me perguntarem qual é a minha pátria, eu não sei dizer (…) é a luz, o sol e a água (…) que fazem a minha lágrima”.

A caminhar para a parte final do espetáculo, a artista relembrou Amália Rodrigues e revelou a devoção que tem pela fadista – “Amália sempre e agora”.

Seguiu-se uma outra homenagem. Desta vez, Maria Bethânia fez descer uma tela e passou imagens de Naná Vasconcelos, o músico brasileiro que morreu em 2016. “Saudade. Obrigada amigo, ilustre, a mais nova estrela que brilha”.

“Samba da Bênção” de Vinicius de Moraes não poderia faltar nesta noite. Num dos temas mais populares do da musica brasileira, a artista faz referência e pede bênção a grandes nomes da música e das artes, como é já natural neste tema (no tema original, o autor pede a bênção a várias pessoas que admira). Não faltaram personalidades como o próprio Vinicius de Moraes, Gilberto Gil e o irmão da cantora, Caetano Veloso, “Saravá!”.

“A bênção à Cidade do Porto e à sua gente!” – A artista lembrou ainda Fernando Pessoa, “aquele que sustenta a minha poesia, o ritmo desassossegado do meu coração.”, “Saravá!”.

Antes de terminar, Maria Bethânia cantou um fado de Amália Rodrigues. Os acordes da guitarra descolaram-se do samba e a artista interpretou “Meu Amor é Marinheiro”. Um momento muito aplaudido.

“Menina dos Olhos de Oyá” e o tema “Reconvexo”, do seu irmão Caetano Veloso, foram dos últimos a fazerem-se ouvir neste Coliseu do Porto que já tanto cantou.

“O que é, o que é” foi a canção que concluiu o espetáculo e pôs o Coliseu a cantar a letra que tão bem conhece: “É a vida, é bonita e é bonita”. Seguiu-se o Encore com o tema “Explode Coração”.

Uma noite que deixou o Coliseu rendido à artista e que a fez regressar, mais uma vez, ao palco para cantar de novo “O que é, o que é”. Maria Bethânia mostrou-se agradecida pelo carinho e o público respondeu com uma ovação em pé que durou vários minutos.

A artista termina assim o último concerto em Portugal desta tour. Mágico, encantador, leve e desassossegante.

Maria Bethânia

Para acederes à galeria completa clica aqui.

Texto: Daniela Fonseca
Fotografias: Bruno Ferreira

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X