Está aqui!
Home > Música > Festivais > Justice no NOS Primavera Sound? Soube-nos a pouco, soube-nos a nada

Justice no NOS Primavera Sound? Soube-nos a pouco, soube-nos a nada

Justice
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

O primeiro dia do NOS Primavera Sound 2017 fechou com a atuação do duo francês Justice que deixou muito a desejar.

O fechar de portas do primeiro de três dias do NOS Primavera Sound 2017 ficou a cargo dos Justice. Os franceses vieram até à Invicta com a sua eletrónica que é, de facto, um marco neste género musical.

A noite tinha chegado ainda com os Run the Jewels e estendeu-se com o duo francês. Depois de tanto salto, grito e moches era de esperar que público mostrasse sinais de cansaço mas não foi isso que aconteceu. Até muito pelo contrário. Se até então as primeiras filas foram as que mais vibraram, com a chegada desta eletrónica com um cheirinho de anos 80, ninguém conseguiu ficar indiferente e tudo deu à anca.

Gaspard Augé e Xavier de Rosnay montaram um autêntico circo no palco principal do NOS Primavera Sound. Caixas, amplificadores, coisas e mais coisas que ofuscaram, que resguardavam a dupla francesa.

Atiram-nos com “Safe and Sound”, aquela malha que serviu de cartão de visita de “Woman”, o disco que lançaram em 2016 e sem hesitar estamos em 2007 com “D.A.N.C.E.”, o single que os mostrou ao mundo.

Chegaram cheios de pujança, metidos consigo mesmos, pouca interação com o público e para quê? Quase que foi chegar ali e colocar uma pen e vamos embora DJ – gracioso Shazam que não falhaste nem uma! Esta pode ser uma abordagem um pouco bruta mas para tanto clubbing, isto pedia mais qualquer coisa que não girasse tanto em torno de uma cultura muito empestada de Daft Punk.

Em 2012 passaram por Lisboa, ano seguinte em Paredes de Coura,  e com uns espetáculos que em pouco diferem deste que nos trouxeram à Invicta. Contudo, conseguiram transformar o Parque da Cidade numa discoteca essencialmente com “Genesis” e “Phantom” que aumentou um pouco os ânimos.

Estava a ser bom, foi bom mas, verdade seja dita, é para ser ouvido no carro, não num festival, caso contrário o público ficaria até ao final em vez de, mesmo quase no fim da atuação, começarem em andar a passos largos em direção à saída.

Para acederes à galeria completa clica aqui.


Texto: Mónica Ferreira
Fotografias: Bruno Ferreira

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X