Está aqui!
Home > Música > Concertos > Jorge Palma & Sérgio Godinho: soube-nos a pouco, soube-nos a tanto portanto soube-nos a pouco

Jorge Palma & Sérgio Godinho: soube-nos a pouco, soube-nos a tanto portanto soube-nos a pouco

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Jorge Palma e Sérgio Godinho estiveram esta quinta-feira, dia 3, no Coliseu do Porto para apresentarem o espetáculo “Juntos”.

Com um Coliseu bastante bem composto, e com um ligeiro atraso, eis que as luzes desta que é uma das mais nobres salas de espetáculos do norte do país começam a baixar e a banda começa a entrar em palco. No meio de aplausos e gritos, surge uma luz no fundo do palco, deixando transparecer, por breves segundos, duas sombras: Jorge Palma e Sérgio Godinho, que estavam a preparar-se para entrar em palco.

Assim que os colegas e amigos entraram em cena, o coliseu entrou num alvoroço de ovações aos artistas e deu-se início a uma noite, que prometia ser longa, com uma Intro, um tanto ou quanto calma e serena, seguida de “Lá em Baixo“.

A fazerem “Horas Extraordinárias“, o público começou a deixar-se levar pelas canções. “Dá-me Lume” foi o tema que se seguiu e o público deu-o. Emprestou as suas vozes e acompanhou o duo sem falhar um único verso. Na verdade, o Coliseu do Porto incendiou a partir deste momento e avizinhava-se uma grande noite pela frente.

Minha Senhora da Solidão“, “Mudemos de Assunto” e eis que começa a ecoar ““. Seguiu-se “O Lado Errado da Noite“, que podia ter sido o facto dos grandes hits terem sido levemente alterados para que as vozes de Jorge Palma e Sérgio Godinho se complementassem e dessem o “arzinho da sua graça” mas isso não aconteceu.

Ouviu-se “Os Conquistadores“, “Elixir da Juventude”, que ambos devem saber a receita não tivessem eles conseguido a mestria de se combinarem sem que houvessem apelos às canções originais. Todos os presentes apreciaram os arranjos feitos, ou caso contrário não estariam de sorriso estampado e embalados no “swing” destas canções.

Frágil“, “Quem és Tu, de Novo?“, “It’s All Over Now” e já estávamos “Na Terra dos Sonhos“. Na verdade, acho que sempre estivemos nesta terra de sonhos quando vimos Palma e Godinho a entrarem em palco. A combinação desta amizade, destas vozes, destas sonoridades faziam e fizeram-nos de facto sonhar e embarcar numa viagem exclusiva a sonhadores.

A Noite Passada” antecedeu “Dancemos no Mundo“, a primeira vez que se notou que o público estranhou uma nova versão. Uma canção do mundo, que está na ponta da língua de tantos, começou por soar um pouco a estranho mas depressa se começou a entranhar nos ouvidos esta sonoridade, estes arranjos, fazendo-a tão especial quanto a original.

Caso for o Caso” e o “O Acesso Bloqueado” mas “Deixa-me Rir“! Claro que deixamos senhores! Aliás, até nos rimos todos juntos. Impossível não ouvir este belo tema de 1985 e ficar logo com um sorriso, não só pela sua sonoridade um tanto ou quanto romântica mas por sermos de imediato “assaltados” por lembranças que nos marcaram a vida.

O concerto já estava na reta final e, para encerrar a primeira parte deste espetáculo tão especial, ouviu-se “Portugal, Portugal“, um tema de 1982 mas que (in)felizmente continua tão atual.

O encore ficou dividido em três partes e reservado essencialmente a Sérgio Godinho, numa viagem no tempo, que nos fez recuar até às décadas de 70 e 80. A primeira parte, composta por “Espalhem a Notícia“, “Canção de Lisboa“, “Lisboa que Amanhece“, alguns dos temas que o público não perdoaria se não fossem partilhados neste espetáculo. “Liberdade” foi a canção que antecedeu “O Primeiro Dia”, seguido de “A Gente Vai Continuar“; vão? Tudo apontava para que o espetáculo estivesse encerrado mas não.

Ouviu-se “O Bairro do Amor” e agora sim, para terminar em grande, fomos presenteados com “Encosta-te a Mim” que nos permitiu sair do Coliseu do Porto “Com um Brilhozinho nos Olhos“.

Esta foi a primeira vez que os artistas se juntaram para celebrar uma longa e duradoura amizade, numa partilha de sentimentos com os fãs de ambos destes grandes nomes da música portuguesa através das suas canções mais emblemáticas. Com um alinhamento composto por 27 grandes temas, Jorge Palma e Sérgio Godinho partilharam o palco do Coliseu do Porto irmãmente, ainda que tivessem sido tocados mais temas de Palma do que de Godinho.

Foi caso para dizer que hoje soube-nos a pouco, soube-nos a tanto portanto hoje soube-nos a pouco.

A dupla está de volta esta sexta-feira, dia 4 de março, ao Coliseu do Porto para deixar uma outra remessa de fãs deliciados com estas novidades que, apesar de tudo, já nos são tão conhecidas.

carousel
images not found

Fotografias: Bruno Ferreira

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X