Reconhecido pela sua carreira sólida no domínio do jazz enquanto solista, compositor e bandleader, o pianista Fred Hersch estreia-se ao lado da Orquestra Jazz de Matosinhos em dois concertos únicos: dia 2 de dezembro no Voll-Damm Festival Internacional de Jazz de Barcelona e dia 4 na Casa da Música no Porto.

Considerado um dos mais conceituados pianista e compositor de jazz da sua geração, Fred Hersch estreou-se em Nova Iorque em 1977 e desde então partilhou o palco com grandes lendas do jazz, incluindo Joe Henderson, Stan Getz, Charlie Haden, Art Farmer e Bill Frisell.

Ao vivo, vão rever as composições de Fred Hersch com arranjos dos directores da OJM, Pedro Guedes [aluno do pianista no início dos anos 90, nos EUA] e Carlos Azevedo, e do pianista Mike Holober. Exemplos da prodigiosa criatividade do pianista que tem mais de 40 álbuns editados, em diferentes formados: solo, trio – com os parceiros de longa data John Hébert (contrabaixo) e Eric McPherson (bateria) –, pequenas formações e a pouco convencional Pocket Orchestra.

Duas vezes nomeado para o Grammy de Melhor Performance Instrumental de Jazz e uma para o Grammy de Melhor Composição Instrumental, Fred Hersch é uma referência entre os seus pares como, por exemplo, Brad Mehldau que foi seu antigo aluno. “No mundo musical de Fred, muitos dos desenvolvimentos da história do jazz e de toda a história da música se juntam de forma intensamente contemporânea. O seu estilo está muito relacionado com a ideia de individualidade, e tem muito a ver com beleza. Eu não estaria a fazer o que faço se não o tivesse aprendido com Fred, e penso que isso se aplica a bastantes outros músicos”, afirmou ao New York Times.

Paralelamente à sua carreira na música, Fred Hersch é um dos principais rostos da luta contra a SIDA nos EUA integrando movimentos que ajudam, informam e educam na prevenção do vírus.

Comentários