Está aqui!
Home > Música > Concertos > Fafá de Belém no Coliseu do Porto: lágrimas de um coração do Pará

Fafá de Belém no Coliseu do Porto: lágrimas de um coração do Pará

Fafá de Belém
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

De costas voltadas para o público e com os músicos do lado direito do palco, Fafá de Belém pisou pela primeira vez o palco mais emblemático da cidade do Porto. A artista marcou presença naquela que foi a segunda e última noite de concertos em Portugal. Um espetáculo de dança, emoção e aquela sonoridade amazónica que tão bem a define.

Acompanhada pela dupla de guitarrista do Pará, Manuel e Filipe Cordeiro (pai e filho), iniciou o concerto com “Volta” e, após o momento em que se vira para a plateia, o Coliseu do Porto encheu-se numa chuva de aplausos.

Se este foi um concerto feito para dançar na maior parte dos temas, foi logo com o segundo, “Asfalto Amarelo” que os movimentos ritmados tiveram início. Fafá deixou clara a felicidade que sentia em estar a atuar numa casa como aquela, “É uma alegria imensa estar pela primeira vez no Coliseu do Porto”, agradecendo ainda o carinho que o público português tem para com ela.

O concerto de ontem serviu de mote para a apresentação do seu último disco “Do Tamanho Certo Para o Meu Sorriso”. O projeto da cantora brasileira conta um pouco sobre a sua (e a nossa, também) história, sobre o olhar, é para dançar e para nos emocionarmos juntos. No fundo, “é uma viagem pela minha vida, para contar de onde eu vim”, comentou Fafá.

O clima da noite aqueceu com a brasileira sentada num pufe a interpretar o tema “Bilhete” seguido de “Pedra Sem Valor” e, mesmo esta segunda música ter na sua letra que o azar era seu, certo foi que este momento foi a sorte de quem por lá estava.

Fizeram-se ouvir temas como “Quem não te quer sou eu” e “Usei Você”. Entre trocas de roupa, de vestido vermelho cantou “Sedução” conquistando, num piscar de olhos, toda a plateia.

A euforia atingiu o nível máximo com “Abandonada”, interpretado num dueto com o público, abandonada e sozinha não ficou. O resultado foi a cantora a chorar desoladamente no palco, não dando tempo aos cépticos de ficarem indiferentes. Um manto de gente levantou-se e aplaudiu-a efusivamente em pé.

Para o fim da noite deixou os bailes “Os passa vida” e “Foi assim”. A cortina fechou-se com “Gosto da Vida” e, antes de dizer adeus ao Coliseu, quis ainda relembrar os momentos duros que os portugueses têm passado devido aos incêndios. Deixou claro que é “preciso cuidar do que é nosso” e que “as nossas matas é a riqueza maior que podemos deixar aos nossos netos”.

Para acederes à galeria completa clica aqui.

Texto: Rita Pereira
Fotografias: Bruno Ferreira

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X