Está aqui!
Home > Música > Concertos > Damien Rice: Quem o viu e quem o vê

Damien Rice: Quem o viu e quem o vê

Damien
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Damien Rice esteve esta terça-feira na Casa da Música, cerca de um ano depois de ter atuado na Invicta no NOS Primavera Sound. Foi um concerto intimista, explosivo, com o irlandês mais próximo do público.

Poucos minutos depois da hora marcada, Damien Rice subiu ao palco da Sala Suggia da Casa da Música sozinho. Com as suas guitarras e demais instrumentos a circundá-lo, havia também uma mesa com uns copos, um candeeiro e umas garrafas de vinho. Um cenário bem montado, simples mas que já nos fazia antever que estávamos prestes a entrar noutra dimensão.

“Colour in Me” foi o motor de arranque deste espetáculo que contava com uma Casa da Música a rebentar pelas costuras. Verdade seja dita, a estrutura da sala, a acústica, o cenário e todo o jogo de luzes que envolveram o concerto conferiram um toque especial a esta atuação.

À medida que o espetáculo foi avançando, Damien fez algumas pausas para interagir com o público e contar algumas histórias caricatas, mostrando assim que este “one man show” tem um sentido de humor bastante apurado. Estes momentos de pausa, para além de o ajudar a recuperar o fôlego, ajudavam-nos a respirar.

Aqui não houve grande circo, grandes produções. Tudo simples, nu e cru, como ele. Durante todo o espetáculo foi-nos revelada a essência do músico a par e passo das exibições vocais e capacidade de fazer misturas e remisturas de vários instrumentos, tornando o concerto um tanto ou quanto explosivo.

A plateia sabia as letras de cor, cantavam-nas baixinho, numa espécie de sussurro que, tendo em conta o meio envolvente, dava-lhe um certo ar fantasmagórico. A dada altura o público começa a atirar canções e o espetáculo virou uma espécie de discos pedidos. Damien, simpático como é, fez a vontade a alguns dos fãs mais eufóricos e brindou-os com “Amie” e “Woman Like a Man”.

“It Takes a Lot to Know a Man”, sendo o final deste tema acompanhado com grandes aplausos de pé de toda a sala, fechou a primeira parte do concerto.

Minutos depois, Damien retorna ao palco e chama Gyda Valtysdottir, que tinha atuado antes do músico irlandês. Sentados juntos à tal mesinha com os copos, à medida que bebiam o vinho serviram-nos “Cheers Darlin” e do nada estávamos numa sala de estar, com amigos, a desfrutar de boa música e a beber um copo. É esse o poder das canções de Damien Rice: fazem-nos imaginar, fazem-nos viajar e sentir de uma forma estranha mas que se entranha em nós.

Para acabar, e como não podia deixar de ser, ouviu-se a afamada “The Blower’s Daughter”. Aplausos, gritos, gente eufórica e alguma até emocionada, despedem-se de Damien, esperançados, com um “até já”.

Damien_2

Para acederem à galeria completa clica aqui.

 

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X