A 7ª edição do Festival Internacional de Cinema Experimental de Bucareste terminou com duas curtas-metragens portuguesas no palmarés: Diogo Costa Amarante venceu o Prémio de Melhor Realizador com “Cidade Pequena” e “A Brief History of Princess X” de Gabriel Abrantes foi distinguida com uma Menção Especial do Júri.

Ambos os filmes, distribuídos pela Agência da Curta Metragem, integraram a competição internacional do festival romeno. Sobre “Cidade Pequena”, o júri considerou que “com uma montagem poética e utilizando um formato que vai para além do CinemaScope, Diogo Costa Amarante ousa abordar as questões da morte e da consciência partindo da relação entre mãe e filho. Criando um frágil equilíbrio entre o pensamento filosófico e a emocionalidade contida, o cineasta deixa espaço para suas próprias imagens e percepção”.

Protagonizado pela irmã e o sobrinho do realizador, “Cidade Pequena” parte de um episódio verídico onde Francisco descobre na escola que as pessoas têm cabeça, tronco e membros e que se o coração pára morrem. A ficção, premiada na última edição do Festival de Berlim com o Urso de Ouro para Melhor Curta-Metragem, é uma reflexão acerca da tomada de consciência da morte, do tempo e da família.

Por sua vez, “A Brief History of Princess X” foi distinguida pelo júri pela sua “capacidade de condensar uma profunda parábola artística e social numa narrativa construída com precisão, que consegue combinar a seriedade da história com uma abordagem humorística”. A curta-metragem de Gabriel Abrantes é um retrato delirante da escultura Princess X, de Constantin Brancusi, uma controversa escultura em bronze, que começou como um busto da igualmente controversa sobrinha bisneta de Napoleão, Marie Bonaparte.

O Bucharest International Experimental Film Festival decorreu entre 28 de março e 2 de abril na capital da Roménia.

Comentários