Está aqui!
Home > Música > Concertos > Caetano Veloso: Uma viagem por 50 anos de carreira no Coliseu do Porto

Caetano Veloso: Uma viagem por 50 anos de carreira no Coliseu do Porto

Caetano Veloso
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Caetano Veloso passou esta terça-feira (25) por Coliseu do Porto esgotado, acompanhado de Teresa Cristina com a digressão “Caetano apresenta Teresa”.

Dentro da hora marcada, sem grandes atrasos significativos, Caetano Veloso subiu ao palco do Coliseu do Porto para nos apresentar a primeira parte do espetáculo: “Boa noirte Porto. Antes de voltar para cantar para vocês vou deixar-vos com a maravilhosa Teresa Cristina”. Saiu de palco acompanhado de aplausos, os mesmos que receberam Teresa Cristina e alguns dos temas do seu mais recente trabalho, “Teresa Cristina Canta Carola”.

“O Mundo é um Moinho” foi o primeiro tema apresentado, onde tínhamos em palco apenas a cantora brasileira acompanhada pelo violão de Carlinhos Sete Cordas. Seguiram-se “Corra e Olhe o Céu” e “Preciso me Encontrar”, temas que encaixaram perfeitamente no cenário minimalista que envolvia toda a emoção com que os artistas brasileiros cantavam e tocaram. Foram momentos partilhados connosco, com cada um de nós.

Cartola, cantor, compositor e instrumentista, considerado por muitos como o maior sambista da história brasileira, foi assim revisitado na voz de Teresa que não deixou de brincar em “Teve Sim”, onde trocou os papéis do homem e da mulher. Este foi o mote da digressão “Caetano apresenta Teresa”.

A verdade é que os brasileiros têm muito a capacidade de se tornarem cúmplices de nós, de nos fazerem alinhar nas suas aventuras, que é como quem diz, deixar o samba percorrer-nos o corpo e todas as outras sonoridades característica daquele país.

A primeira e três partes do espetáculo encerrou com “As Rosas Não Falam” onde Teresa substituiu uma rosa por um cravo, símbolo da liberdade portuguesa conquistada neste mesmo dia há 43 anos.

Amigo e colega, estava na hora de ceder o palco a Caetano. Teresa elucida-nos e diz-nos que “no Rio de Janeiro, a gente fala assim, é f*da, que ele é do outro mundo” e neste momento entra em cena Caetano com o seu violão em punho. Estávamos prestes a dar início a uma maratona por alguns temas que não já não eram tocados ao vivo há algum tempo mas que nos são tão conhecidos.

Bom, com 74 anos, Cateano Veloso mostrou o estatuto que adquiriu ao longo destes anos, a que patamar chegou e foi assim que se manteve. Não, ele não é um artista que goste de estar sempre a dar “duas de letra” com o público, ele prefere tocar e cantar, encantar-nos e falar-nos com as suas canções.

“Luz do Sol” foi o pontapé de saída, e quase numa velocidade cruzeiro chegámos até um dos momentos mais aguardados da noite, o artista brasileiro decidiu brindar-nos com um tema de 1977 que ainda hoje é um marco na sua carreira: “O Leãozinho”.

Seguiu-se “Menino do Rio” e todos cantavam sem falhar um verso. Um público composto por gente mais madura, que mostrava uma sensibilidade diferente, foi absorvendo cada canção, cada tema, e intervindo quando assim achava que o devia fazer.

Em “Love For Sale”, uma atuação acapella,  foi um dos temas em que tivemos direito a ouvir algumas palavras da parte de Caetano: “Este tema podia ter ganhado um Nobel”.

Num alinhamento composto por 19 canções, não foram deixadas de lado dois temas que representam o que foi o Tropicalismo no Brasil mas que não chegaram a ser muito populares/comerciais mas que para Caetano dizem muito: “Enquanto Seu Lobo Não Vem” e “A Voz do Morto”. Ambas escritas em 1968, que falam das passeatas – nome dado às manifestações políticas de rua que lutavam contra a ditadura militar que prevalecia pelo Brasil desde 1960, cheias de entusiasmo e medo.

“A Luz da Tieta” deu por encerrada esta segunda parte mas é claro que não sem antes ouvirmos a mítica “Sozinho”. Este foi outro dos momentos onde o público não se coibiu de cantar, com um sorriso de orelha a orelha.

Para a terceira e última parte do concerto, Teresa Cristina, Carlinhos e Caetano Veloso retornam ao palco para mais um punhado de canções como “Tigresa” – outro também bastante conhecido do público -, “Odara” e “Qualquer Coisa”.

Com um cravo na lapela do casaco, Caetano Veloso despediu-se de nós com um “Até à próxima Porto” depois de duas horas de música e quase quatro dezenas de canções.

Para acederes à galeria completa clica aqui.


Texto: Mónica Ferreira

Fotografias: Bruno Ferreira

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X