Está aqui!
Home > Philo Arte > Amor de Hoje – ou O Ser e o Nada revisitado

Amor de Hoje – ou O Ser e o Nada revisitado

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

Joana Rita defende que a filosofia se pode encontrar nas mais pequenas coisas. E nas maiores também: como na(s) arte(s). Inauguramos hoje o momento Philo Arte deste vosso pasquim online que, sempre atento ao que se ouve por aí, leva a cabo a análise existencial do dilema de Juvencio Luiz. Não conhecem? O Jean Paul Sartre, autor de O Ser e o Nada, também não conhece. E certamente lamenta.

 

“Minha vida está um dilema

Mas o que é que eu vou fazer”

 

É assim que Juvencio Luiz inicia a música “Amor de hoje”, indicando de forma evidente a problemática existencial do vazio provocado pelo dilema de partilhar a vida com uma pessoa que está quando ele não está e não está quando ele está. Confuso? Nós também – todavia, acreditamos que um olhar profundo sobre o poema irá trazer luz a esta estória de vida e de amor. Vejam o vídeo e acompanhem-nos nesta reflexão.

Um casal que vive desencontrado procura, a todo o custo, compreender as razões para tal situação. O indivíduo em questão, na voz de Juvencio, questiona inúmeras vezes o porquê desta situação. Todo o tom interpretativo do cantor dá a entender um questionar constante, sobre a relação em si e o próprio sentido da vida. Afinal, a sua vida resultou num verdadeiro dilema. Talvez o facto de ambos trabalharem em horários díspares não tenha ajudado.

A repetição constante da ausência da esposa, ou seja, o confronto com o nada, ao chegar a casa, uma, duas, três vezes, arrasta-o para o precipício, conduzindo-o ao envenenamento e ao suicídio:

 

“Eu não aguentei

E quase me envenenei”

(…)

“Eu não aguentei

E quase me suicidei”

 

O vídeo da música ilustra o desencontro constante do marido e mulher. Ambos têm o hábito de jantar fora, ainda que em restaurantes diferentes, parece. Um olhar atento ao vídeo indica alguma infelicidade por parte dos protagonistas que, ainda assim, partilham os mesmo gostos: o jantar fora, ir para os copos. Com tanta coisa em comum, afinal, o que motiva este desencontro?

 

“Se vou pr’ os copos também vais

é desafio o quê?

pra competir ou quê?”

 

O senhor acaba por abandonar o lar, levando pela mão a criança. Nesse momento, o cantor Juvencio anuncia uma espécie de lei do karma, de what goes around, comes around que revela a sua verdadeira essência. A saber:

 

“Vais-te dar male

Vais-te dar male mulher

Eu sou macaco velho

Vais-te dar male”

 

Neste momento, ficamos a perceber que talvez tenha havido um retrocesso ontológico, no que à identidade: afinal, o senhor assume-me como um animal, numa metáfora que alude, mais uma vez, a uma espécie de lei do karma: sim, eu vou embora de casa, com esta tshirt verde alface fluorescente que não lembra nem ao menino Jesus; mas espera para ver, pois o destino irá encarregar-se de ti. Prevê-se que a própria senhora, mais dia menos dia, apareça também ela trajada de verde alface fluorescente e acabará sozinha: será impossível alguém aproximar-se dela.

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X