Está aqui!
Home > Destaques > Albano Jerónimo e Lígia Roque são Valmont e Merteuil em Quarteto

Albano Jerónimo e Lígia Roque são Valmont e Merteuil em Quarteto

Quarteto
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someone

“Quarteto”, com encenação de Carlos Pimenta, revela o jogo de manipulação de dois ex-amantes. Em cena, no Porto, de 21 de janeiro a 7 de fevereiro.

A partir desta quinta-feira, dia 21 de janeiro, no Teatro Carlos Alberto (Porto), será possível conhecer o jogo de sedução e manipulação de Valmont (Albano Jerónimo) e Merteuil (Lígia Roque). O espetáculo parte de As Ligações Perigosas de Choderlos de Laclos, romance epistolar do final do século XVIII, célebre também pelas várias adaptações cinematográficas, com destaque para a de Stephen Frears. Curiosamente, Heiner Müller assume ter lido a obra que lhe serviu de inspiração “na diagonal”.

Quarteto – banida na RDA logo em 1981 por ser considerada “pornográfica” – é uma peça sobre o desejo e a manipulação, escrita perto de Roma, durante o processo de separação de Heiner Müller. Foi considerada “imoral”, como cómica, tendo sido já alvo de inúmeras representações, bem diferentes entre si. A ação situa-se, de acordo com Heiner Müller, num “salão antes da Revolução Francesa / Um bunker depois da Terceira Guerra Mundial”, acompanhando o espaço temporal de 1782, data de saída de As Ligações Perigosas de Laclos, e a Terceira Guerra Mundial, que estaria já em curso em 1981.

Os corpos de Valmont e Merteuil vivem ou sobrevivem há 200 anos e nesse bunker, antecipando o fim próximo, vão revivendo histórias e trocando de máscaras e papéis, deixando sobressair outras personagens ou vítimas do dueto, como Madame Tourvel ou a jovem Volanges. “As personagens assumem um jogo de espelhos em que as máscaras que vão pondo lhes permitem a possibilidade de regresso às suas disputas sexuais e amorosas”, refere o encenador Carlos Pimenta.

As personagens assumem um jogo de volúpia entre passado e futuro, testando os seus limites e confrontando-se com o que agora são, já que não há nada a perder. “Os seus corpos têm um destino já traçado. Ambos o sabem. Por isso, os velhos amantes digladiam-se e na violência com que o fazem pressentimos que o tempo vence sempre”, acrescenta o encenador.

Quarteto resulta de uma coprodução entre Centro Cultural de Belém (CCB) e TNSJ. O espetáculo está em cena no TeCA até dia 7 de fevereiro: quarta-feira às 19h00, de quinta a sábado, às 21h00, e no domingo, às 16h00. A peça é para maiores de 16 anos e o preço dos bilhetes é de 10 euros. O espetáculo poderá ser visto no CCB, em Lisboa, de 18 a 21 de fevereiro.

Comentários
Top

Este site utiliza cookies próprios e da Google para personalizar conteúdo e anúncios, funcionalidades de redes sociais e análise de tráfego. A informação contida nestes cookies pode ser partilhada com os nossos parceiros fornecedores das funcionalidades descritas atrás. Ao navegar neste site, estará a consentir a utilização destes cookies. Saiba mais sobre o uso de cookies.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

X